Quarta-feira, 19.09.12

NOS TEUS BRAÇOS

 

 

 

 

 

 

                                     Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
                                     A essa hora dos mágicos cansaços,
                                     Quando a noite de manso se avizinha,
                                     E me prendesses toda nos teus braços...

                                     Quando me lembra: esse sabor que tinha
                                     A tua boca... o eco dos teus passos...
                                     O teu riso de fonte... os teus abraços...
                                     Os teus beijos... a tua mão na minha...

                                     Se tu viesses quando, linda e louca,
                                     Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
                                     E é de seda vermelha e canta e ri

                                     E é como um cravo ao sol a minha boca...
                                     Quando os olhos se me cerram de desejo...
                                     E os meus braços se estendem para ti...


                                     Florbela Espanca

 

 

 

a ouvir...

 



música: Nos Teus Braços - Cuca Roseta
publicado por Aquariana às 14:01 | link do post | comentar | ver comentários (19)
Segunda-feira, 10.09.12

BRINCAR COM AS PALAVRAS

 

 

Quantas vezes já lemos algo que alguém escreveu e sentimos que aquelas palavras poderiam ter sido escritas por nós? Ou então quantas vezes nos apeteceu pegar num texto ou poema e reescrevê-lo ao nosso jeito e até dar-lhe continuidade como uma resposta?

 

É isso que pretendo fazer nesta rubrica que agora inicio e onde de forma despretenciosa pretendo BRINCAR COM AS PALAVRAS e homenagear os seus autores.


 

(foto de autor)



SUSPIRO

 

«Teu suspiro é leve,

cristalino

como uma gota de água

na vidraça embaçada onde o olhar nos dói.

Antes que ela se despenhe

no abismo,

minha boca vai em seu socorro

dissipar a névoa,

pôr-lhe o sol nos lábios…»

ALBINO SANTOS

 

 

(e eu continuo...)

 

E com os lábios cheios de luz

 a névoa se dissipa

ao encontrar a tua boca.

Para trás ficam os abismos

onde o meu olhar mergulhava

e através da vidraça

 vês meus olhos cristalinos

 suspirando de felicidade.

AQUARIANA


 =POST RE-EDITADO =

 

(e a Palomina acrescentou...)


«...Felicidade essa que sem ti seria em vão
e todo o meu mundo perderia o sentido...
Ficando eu na solidão...
Olho o horizonte na esperança de te encontrar...
...e de novo a felicidade surge...
Num verbo que se apelida, Amar!!»

 

 

a ouvir

 

música: Moments In Love - Art of noise
publicado por Aquariana às 13:30 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Sexta-feira, 07.09.12

PARA QUEM GOSTA DE PABLO NERUDA

 

 

 

 

 

                   SONETO XII

 

                  «Plena mujer, manzana carnal, luna caliente,
                  espeso aroma de algas, lodo y luz machacados,
                  qué oscura claridad se abre entre tus columnas?
                  Qué antigua noche el hombre toca con sus sentidos

 

                  Ay, amar es un viaje con agua y con estrellas,
                  con aire ahogado y bruscas tempestades de harina:
                  amar es un combate de relámpagos
                  y dos cuerpos por una sola miel derrotados

 

                  Beso a beso recorro tu pequeño infinito,
                  tus márgenes, tus ríos, tus pueblos diminutos,
                  y el fuego genital transformado en delicia


                  Corre por los delgados caminos de la sangre
                  hasta precipitarse como un clavel nocturno,
                  hasta ser y no ser sino un rayo en la sombra.»


                  PABLO NERUDA



a ouvir... 


música: El Tango de Roxanne - Molin Rouge Soundtrack
publicado por Aquariana às 09:00 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Quinta-feira, 06.09.12

ALELUIA

 

 

.
.
.
Aleluia


Era a mulher — a mulher nua e bela,
Sem a impostura inútil do vestido
Era a mulher, cantando ao meu ouvido,
Como se a luz se resumisse nela...
Mulher de seios duros e pequenos
Com uma flor a abrir em cada peito.
Era a mulher com bíblicos acenos
E cada qual para os meus dedos feito.
Era o seu corpo — a sua carne toda.
Era o seu porte, o seu olhar, seus braços:
Luar de noite e manancial de boda,
Boca vermelha de sorrisos lassos.
Era a mulher — a fonte permitida
Por Deus, pelos Poetas, pelo mundo...
Era a mulher e o seu amor fecundo
Dando a nós, homens, o direito à vida!


Pedro Homem de Mello


a ouvir...


música: Watermark - Enya
publicado por Aquariana às 10:00 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Segunda-feira, 21.03.11

CHEGOU A PRIMAVERA... VIVA A POESIA!

 

 

 

 

On me dit que nos vies ne valent pas grand chose
Elles passent en un instant comme fanent les roses
On me dit que le temps qui glisse est un salaud
Que de nos chagrins il s'en fait des manteaux

Pourtant quelqu'un m'a dit
Que tu m'aimais encore
C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore
Serais ce possible alors

On dit que le destin se moque bien de nous
Qu'il ne nous donne rien et qu'il nous promet tout
Parait qu'le bonheur est à portée de main
Alors on tend la main et on se retrouve fou

Pourtant quelqu'un m'a dit
Que tu m'aimais encore
C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore
Serais ce possible alors

Mais qui est ce qui m'a dit que toujours tu m'aimais
Je ne me souviens plus c'était tard dans la nuit
J'entend encore la voix, mais je ne vois plus les traits
Il vous aime, c'est secret, lui dites pas que j'vous l'ai dit

Tu vois quelqu'un m'a dit
Que tu m'aimais encore, me l'a t'on vraiment dit
Que tu m'aimais encore, serais ce possible alors

On me dit que nos vies ne valent pas grand chose
Elles passent en un instant comme fanent les roses
On me dit que le temps qui glisse est un salaud
Que de nos tristesses il s'en fait des manteaux

Pourtant quelqu'un m'a dit
Que tu m'aimais encore
C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore
Serais ce possible alors

publicado por Aquariana às 23:24 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 22.02.11

POESIA DE ALMEIDA GARRETT

 

Ora vamos lá dar um pouco de vida a isto!

Que tal recomeçar com um pouco de Poesia?

 

Almeida Garrett, um dos nomes altos da nossa literatura, É tal como eu um nascido no mês de Fevereiro.

Aqui fica a minha singela homenagem ao poeta, ao romântico, ao escritor.

  

NÃO TE AMO

 

Não te amo, quero-te: o amor vem d'alma.
E eu n'alma – tenho a calma,
A calma – do jazigo.
Ai! não te amo, não.

Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida – nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai, não te amo, não!

Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.

Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
Quem ama a aziaga estrela
Que lhe luz na má hora
Da sua perdição?

E quero-te, e não te amo, que é forçado,
De mau, feitiço azado
Este indigno furor.
Mas oh! não te amo, não.

E infame sou, porque te quero; e tanto
Que de mim tenho espanto,
De ti medo e terror...
Mas amar!... não te amo, não.

Almeida Garrett in "Folhas Caídas"

 

publicado por Aquariana às 09:20 | link do post | comentar | ver comentários (10)

faz-me um LIKE

posts recentes

últ. comentários

  • Florbela é sempre muito porpícia.Embala-nos em ter...
  • Tudo lindo por aqui! Adorável espaço!Um enorme abr...
  • O nosso livre-arbítrio é menor do que pensamos.Mui...
  • Obrigado!Beijinhos
  • Já nos conhecemos e acompanhamos mutuamente há tan...
  • Hummmmmmnem por isso....
  • Obrigado querida, por fazeres parte dos meus obser...
  • Tiveste algum "déja vu"?
  • Forte.....Abraço
  • E acredita amiga... este poema foi publicado em tu...

Posts mais comentados

arquivos

tags

favoritos

pesquisar neste blog

 

Setembro 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

subscrever feeds